resumo

Vivíamos tudo, tudo que nos era permitido viver. Nós, os meninos da "roda da esperança", nada tínhamos além da roupa do corpo e de esperanças. Esperávamos pelo próximo amanhecer, pela próxima refeição magra, mas quente, pelo final da guerra. Esperávamos pelo fim de nossa luta diária, silenciosa, anônima; o dia triunfal, quando alguém chegaria, escreveria um nome em nossos documentos de identidade e nos levaria para casa, para a nossa casa. A inocência era o anjo que nos protegia, pois esse dia jamais chegaria.

história

Minha história não tem começo e tampouco nome, mas foi ganhando identidade, dia após dia, na medida em que foi sendo escrita. Quando me reconheci em uma fotografia, me dei conta de que estava no mundo, no meu mundo, solitário e quase miserável, mas vasto, tão vasto quanto minha imaginação i...Continuar leitura



fechar

Milton Fagundes

período: Ano 1945
imagem de: Milton Fagundes
tipo: Fotografia

Abandonado quando bebê, sobrevivente da 'roda dos enjeitados' sonha em encontrar a família

imagem de: Milton Fagundes
tipo: Fotografia

A história dos paulistanos deixados na roda dos expostos da Santa Casa

imagem de: Milton Fagundes
tipo: Fotografia

histórias que você pode se interessar

opções da página