Brasil Memória em Rede: um novo jeito de conhecer o país

Compartilhar:

Ano: 2010

Baixe a publicação – (PDF) 3MB

O Brasil Memória em Rede nasceu de um desses instantes mágicos que nos fazem perceber a realidade com olhares renovados. O terreno vinha sendo preparado desde que, em agosto de 2003, realizamos, junto com o SESC-SP e com o apoio da Petrobras, o seminário Memória, Rede e Mudança Social.

No ano seguinte, durante o I Fórum Mundial de Cultura em São Paulo, convidamos 17 pessoas representando 14 organizações para conversarmos sobre a construção de uma rede de memória intersetorial no Brasil. Nos dois anos seguintes, aconteceram outros dois grandes encontros entre o que terminou por se denominar um grupo de trabalho, composto por 22 organizações de todos os setores da sociedade.

Dessas discussões nasceu um projeto, posteriormente, apoiado pela PETROBRAS e a iniciativa Brasil Memória em Rede, começou a passar de sonho à realidade. No I Fórum, em 2006, 110 participantes de todos os lugares do país dividiram-se em quatro grupos de trabalho – Memória e Desenvolvimento Comunitário; Memória, Comunicação e Cultura; Memória e Educação; Memória Institucional e Sociedade – para definir as primeiras ações em Rede.

Foi então que nasceu a Expedição do Redescobrimento. Para desenhar essa Expedição, o grupo Memória e desenvolvimento comunitário, se organizou para formular novas estratégias. Nascem daí os seis primeiros polos regionais de memória: em São Paulo, com a Associação Cultural Cachuera!; no Rio de Janeiro, com Instituto de Imagem e Cidadania; na Bahia, com a Associação Grãos de Luz e Griô; no Pará, com os Argonautas Ambientalistas da Amazônia, em Goiás, com a Guaimbê, espaço e Movimento CriAtivo; e em Santa Catarina, com a Fundação Genésio Miranda Lins.

Ao longo de 2007 e 2008, sessenta organizações das cinco regiões do país se encontraram, narraram suas histórias, registraram suas experiências, coletaram histórias de vida, trocaram metodologias, contaram seus feitos, seus desafios. O resultado foi a exposição “Expedição do Redescobrimento: um novo jeito de conhecer o Brasil”, que passou por sete cidades brasileiras.

Em 2008 o Brasil Memória em Rede se torna um Pontão de Cultura, numa ação do Ministério da Cultura, e ganha quatro novos polos de memória: no Ceará, coordenado pela Fundação Brasil Cidadão, na Paraíba, coordenado pelo SEBRAE-PB, em Minas Gerais, coordenado pela SABIC e no Rio Grande do Sul, Coordenado pelo NEP-UFSM.

Em 2008 realizamos também o II Fórum Brasil Memória em Rede. No total, 100 participantes estiveram presentes, discutindo propriedade intelectual, políticas públicas, integração de acervos, sustentabilidade. Como resultado, as primeiras diretrizes da rede começaram a ser traçadas.

Durante 2008 e 2009, o Museu da Pessoa compartilha sua metodologia de registro de histórias de vida e, cada polo define um plano de ação para envolver comunidades e organizações de seu entorno. Projetos de mobilização local que resultam em programas de rádio, TV, sites, sementes de museus locais.

Em 2009, o III Fórum Brasil Memória em Rede se dá num processo cada vez mais colaborativo, no qual o encontro é formado por atividades propostas pelos participantes que coordenam apresentações e propõem dinâmicas.

Conheça o projeto