Não há resultados para a sua busca. Utilize uma nova combinação de filtros ou palavras-chave.
fechar

A salvação dos judeus

Matilda Ben Avran e Avraham Ben Avran durante o Purim, tradicional festa judaica.

período: Ano 1950
local: Israel
imagem de: Avraham Ben Avran
crédito: Acervo Pessoal
tipo: Fotografia

Família Fajersztajn

A mãe de Rosa enviuvou aos vinte e cinco anos - tinha três filhos. Foi de Kazimir para Opole, onde conheceu o pai de Rosa. Além de Rosa, tiveram outro filho. O pai de Rosa também era viúvo e tinha dois filhos. Foto de alguns irmãos e seus filhos.

período: Década 1930
local: Polónia / ópole
imagem de: Rosa Fajersztajn
crédito: Acervo pessoal
tipo: Fotografia

Em casa, no Bom Retiro

Dona Rosa, perseguida por ser judia, viu seus 2 filhos casarem-se com não judeus (o genro é negro), o que provoca sentimentos ambíguos de quem é tolerante mas teme a eliminação do judaísmo, não pelo método da ""solução final"", mas pelo processo de "assimilação".

período: Ano 1982
local: Brasil / São Paulo / São Paulo
imagem de: Rosa Fajersztajn
crédito: Acervo pessoal
tipo: Fotografia

Amigas de colégio

Esta foto é da turma do terceiro ano da escola, correspondente a cerca de onze anos de idade. Dona Rosa estudava em escola judaica, de forma que as meninas eram todas judias. Opole era uma cidade pequena, todas as crianças conviviam muito entre si também fora da escola. De todas as meninas, apenas Rosa e Nem sobreviveram à guerra.

período: Ano 1930
local: Polónia / ópole
imagem de: Rosa Fajersztajn
crédito: Acervo pessoal
tipo: Fotografia

Raízes judaicas

Centro da parte judaica (cidade velha). As ruas eram de cascalho e, a cidade, pequena. As casas que se veem são, basicamente, de comércio (no térreo). A separação entre judeus e ""polacos"" não era total, tendo sido oficializada após a chegada dos alemães. A parte ""polaca"" ficava para a direita da foto a uns quarteirões (que não aparece). Posteriormente toda a área que se vê tornou-se um gueto (prisão), recebendo ainda judeus de outras cidades, inclusive Kazimir, cidade natal de Rosa e menor que Opole. Esta quintuplicou o número de habitantes.

período: Década 1930
local: Polónia / ópole
imagem de: Rosa Fajersztajn
crédito: Acervo pessoal
tipo: Fotografia

Camaradas poloneses!

A imensa maioria das família judias era muito ou razoavelmente religiosa, mas os jovens desta geração começavam a se aproximar das idéias e movimentos comunistas, sendo que muitos militaram efetivamente nestes. O namorado de Rosa, que não está na foto, logo foi preso pela polícia polonesa e a família de Rosa, temendo pela sua prisão, enviou-a para Varsóvia, onde assistiu o começo da guerra. Com exceção de Dona Rosa e do outros personagens citados, não se tem notícia sobre os outros, supondo-se que tenham morrido na guerra.

período: Ano 1935
local: Polónia / ópole
imagem de: Rosa Fajersztajn
crédito: Acervo pessoal
tipo: Fotografia

Chegando ao Brasil

Dona Rosa chegou em Santos através do contato com entidades judaicas brasileiras. Dora Goldman fez o convite e Dona Rosa chegou com quarenta e cinco pessoas de sua cidade Opole e redondezas.

período: Ano 1946
local: Brasil / São Paulo / Santos
imagem de: Rosa Fajersztajn
crédito: Acervo pessoal
tipo: Fotografia

Conselho comunitário

Conselho comunitário da comunidade judaica em Opole, sem atribuições legais. Não era um conselho religioso. A placa está escrita em iídiche, dialeto dos judeus da Europa Oriental (próximo do Alemão), e em Hebraico. Apesar de viverem em um país com suas instâncias legais, os judeus poloneses tinham suas próprias instituições.

período: Ano 1930
local: Polónia / ópole
imagem de: Rosa Fajersztajn
crédito: Acervo pessoal
tipo: Fotografia